09/04/2011

Conheça o Linux Total Programmer

por Alex.S.R

Reprodução do site: http://programmer.linuxtotal.org/conhec

O Linux Total Programmer é um programa que permirte ao usuários fazer programas para qualquer distribuição Linux em shellscript com interface gráfica zenity mesmo sem saber programar! Basta escolher as opções desejadas e montar seu programa de forma linear e sem complicações!

Crie facilmente listas de comandos!

O Linux Total Programmer permite que o usuário crie facilmente listas de comandos de acordo com sua necessidade!

Você escolhe quantos comandos deseja adicionar a cada opção da lista!

Crie Janelas de Diálogo!

Com o Linux Total Programmer você pode inserir janelas de diálogos dentro do seu programa! Podendo escolher entre: diálogos de informações, diálogos de erro, diálogos de aviso e notificações do sistema!

Proteja seu programa com senha!

O Linux Total Programmer também oferece a possibilidade de restringir a execução de seu programa através de uma senha!

O que está esperando? Faça já o download!

O Linux Total Programmer é disponibilizado gratuitamente! Faça já o download e descubra como é fácil fazer um pequeno programa para as suas necessidades!

Anúncios
28/01/2011

KeyboardEvent.KEY_DOWN (AS3)

por Alex.S.R

Esses dias comecei a brincar com actionscript 3 e entre simples códigos surgiu uma duvida: Como é definido a velocidade de repetição do evento KEY_DOWN?

A princípio não consegui achar a resposta, apesar de ser meio obvia, e perguntei para alguns amigos e eles não souberam me responder.

No dia seguinte discutindo isso com um amigo pensei se não seria o SO, e é!

Para testar isso foi bem simples, fiz um simples código que enviava uma mensagem para output quando alguma tecla era pressionada. Rodei o “programa” e deixei uma tecla pressionada, depois fui até o painel de controle (windows) e mudei a velocidade de repetição do teclado, coloquei no mais lento possível. Quando executei de novo o programa e deixe a tecla pressionada ele entrou menos no evento KEY_DOWN! Segue o código:

//www.asrtech.wordpress.com <--- entre e comente!
package
{
	
	import flash.display.MovieClip;
	import flash.events.KeyboardEvent;
	
	public class Speed extends MovieClip
	{
		
		var i:int = 0;
		
		public function Speed()
		{
			stage.addEventListener(KeyboardEvent.KEY_DOWN, onKeyDown);
		}
		
		function onKeyDown(event:KeyboardEvent):void
		{
			i++;
			trace("Entrou: " + i);
		}
	}
}

Até mais.

Alex.SR

04/10/2010

Brincando com o Editor HT

por Alex.S.R

HT é um editor de executáveis distribuído sob a licença GPL. Pode ser baixado tanto para Linux quanto para Windows no seguinte link:

http://hte.sourceforge.net/downloads.html

Bom, nesse tutorial vamos criar um programa bem simples na linguagem C e depois usando o HT vamos editar o binário modificando algum texto que é exibido.

Obs: Embora esse tutorial tenha como foco a plataforma Linux, se o leitor tiver um pouco de conhecimento de como compilar na plataforma Windows conseguirá acompanhar. Toda a parte feita no HT acredito que seja igual (embora não tenha realmente testado).

Primeiramente vamos instalar o HT.

Instalando o HT no Linux (Repositório Debian)

O HT já está nos repositórios do Debian (acredito que esteja em outros também) então basta usar o apt.

Agora com o HT instalado vamos criar no nosso pequeno programa.

Programa

O nosso programa vai ser bem simples e como já dito anteriormente vai ser em linguagem C, ele apenas vai exibir na tela a mensagem “Blog ASRTech!”. Abra um editor de texto qualquer e digite o seguinte código (ou baixe o arquivo prog.c):

1
2
3
4
5
6
7
8
9
//www.asrtech.wordpress.com <--- entre e comente!
#include <stdio.h>

int main()
{
   printf(Blog ASRTech!\n);

   return 0;
}

Salve como prog.c e compile com o gcc.

Vamos executar o nosso programa para ver a saída.

Agora nós temos dois arquivos, como pode ser visto na figura abaixo.

O prog é o nosso binário e o prog.c é o nosso código fonte, ou seja, se quisermos modificar o nosso programa temos que editar o código fonte e compilar novamente. Mas e se nós não tivéssemos o código fonte? Não poderíamos modificar? Ai é que entra o editor de binários HT. Mas que já fique claro que não é tão fácil quanto editar o código fonte e compila-lo novamente (embora seja um exemplo bem simples). Também não vou entrar em questões de legalidade.

Vamos excluir o nosso código fonte.

Agora só temos o arquivo prog que é o nosso binário. O nosso objetivo agora é modificar a mensagem exibida na tela de “Blog ASRTech!” para “OK!”.

Obs: Nos passos a seguir não entrarei em muitos detalhes sobre cada passo.

Primeiramente vamos abrir o binário com o HT.

Obs: Embora o programa se chame HT o comando é hte.

A seguinte “tela” será exibida (para uma total identidade com os prints do tutorial recomendo usar o arquivo fonte que disponibilizei).

A primeira “tela” parece um caos, vários números aparentemente sem significados. Não se assuste, vamos dar uma melhorada nisso, para ficar mais fácil de nós entendermos. Aperte F6 e selecione com as teclas direcionais “elf/image” e de enter.

Agora a tela ficará da seguinte forma:

Agora já deu uma melhorada, podemos identificar alguns caracteres que fazem sentidos para nós (humanos). Não vou explicar linha por linha, pois, fugiria completamente do foco do tutorial. Se quiser saber mais estude assemble.

Bom agora que a gente “consegue ler” o código precisamos achar a função main. Para isso vamos apertar F8 e selecionar “main” (na coluna nome). Depois pressione enter.

Depois de apertar enter vamos ser direcionado para a tela abaixo.

Dando uma olhada na função main podemos ver uma coisa interessante, embora não entendamos muito de assemble. Podemos ver que strz_Blog_ASRTech_8048490 tem o texto que nós queremos modificar. Utilizando as teclas direcionais vamos selecionar esse trecho e dar enter.

Agora fomos direcionado para a parte que contém o texto.

Bom agora vamos apertar F4 para entrar no modo de edição.

Repare que agora no inicio da linha que tem a mensagem apareceu vários números, na verdade o que vamos modificar é esse número, que é o valor em hexadecimal de cada letra. Então precisamos saber qual é o valor em hexadecimal do texto que queremos colocar no lugar, que é “OK!”. Vamos dar uma olhada na tabela ASCII para descobrir qual é o número:

O nosso “OK!” fica assim:

  • O = 4f
  • K = 4b
  • ! = 21

Então temos que colocar 4f4b21 nos números que apareceram quando apertamos F4. Usando as teclas direcionais navegamos até o primeiro número, que no caso é 42 e modificamos para 4f e assim por diante. Note que conforme você modifica o texto vai sendo modificado, então é fácil saber se está modificando para o texto certo ou não.

Mas e agora? A mensagem ficou “OK!g ASRTech!”. Para deixar somente o “OK!” basta inserir 0 para o resto dos números.

Obs: Note que o novo texto tem que ter no máximo o mesmo tamanho do antigo. Ainda não sei como faz para adicionar um texto maior. Quem souber deixe um comentário.

Agora que já modificamos o que queríamos vamos salvar apertando F2 e logo em seguida F10 para sair do HT.

Agora basta executar o nosso arquivo prog para conferir o resultado.

Vídeo Complementar

Click aqui para assistir o vídeo.

Pronto, conseguimos modificar o nosso programa pelo binário.

Até mais.

Alex.S.R.

29/09/2010

Linguagem C – %d vs %i

por Alex.S.R

Desde que começei a aprender a linguagem C na faculdade aprendi que tem dois especificador de formato para o tipo de dado inteiro (int no caso da linguagem C), o %i e o %d.

Sempre me disseram que eram iguais. Até ai tudo bem, na verdade nunca tive problemas com isso até que, já em outra faculdade (que o professor só ensinou o %i) tive um exercício que descobri que existe diferença entre os dois. Era um programa que a pessoa entrava com o dia e mês do seu aniversário no formado ddmm e a saida era o signo da pessoa (sem comentários)

Obs: Não era preciso tratar validação de dados.

Primeiramente fiz com o %i, segue o código:

#include <stdio.h>

int main()
{
   int data, mes, dia;
   
   printf("Informe o dia e o mes do seu nascimento (ddmm): ");
   scanf("%i", &data);
   
   dia = data / 100;
   mes = data % 100;
   
   if((mes == 1 && dia >= 21) || (mes == 2 && dia <= 18)){
      printf("Aquario\n");
   }
   else if((mes == 2 && dia >= 19) || (mes == 3 && dia <= 19)){
      printf("Peixes\n");
   }
   else if((mes == 3 && dia >= 20) || (mes == 4 && dia <= 20)){
      printf("Aries\n");
   }
   else if((mes == 4 && dia >= 21) || (mes == 5 && dia <= 20)){
      printf("Touro\n");
   }
   else if((mes == 5 && dia >= 21) || (mes == 6 && dia <= 20)){
      printf("Gemeos\n");
   }
   else if((mes == 6 && dia >= 21) || (mes == 7 && dia <= 21)){
      printf("Cancer\n");
   }
   else if((mes == 7 && dia >= 22) || (mes == 8 && dia <= 22)){
      printf("Leao\n");
   }
   else if((mes == 8 && dia >= 23) || (mes == 9 && dia <= 22)){
      printf("Virgem\n");
   }
   else if((mes == 9 && dia >= 23) || (mes == 10 && dia <= 22)){
      printf("Libra\n");
   }
   else if((mes == 10 && dia >= 23) || (mes == 11 && dia <= 21)){
      printf("Escorpiao\n");
   }
   else if((mes == 11 && dia >= 22) || (mes == 12 && dia <= 21)){
      printf("Sargitario\n");
   }
   else if((mes == 12 && dia >= 22) || (mes == 1 && dia <= 21)){
      printf("Capricornio\n");
   }
      
   return 0;
}

Quando tava testando o programa vi que se eu entrasse com algum dado que não começasse com 0 funcionava e se entrasse com 0 não funcionava. Fiquei encucado com isso, era claro que era o 0 que estava causando problemas.

Na cagada resolvi usar o %d (linha 8) e pra minha surpresa funcinou com todos os dados!

Ai eu fiquei encucado com isso, pois, eu sempre pensei que os dois fossem iguais, mas agora descobri que não eram, só que não sabia qual era a diferença.

Na faculdade alguns amigos disseram que o %i desprezava 0 e várias outras coisas. Até que um colega disse o certo, usando o %i ele da a possibilidade de trabalhar com números em outras bases numericas e começando um número com 0 ele subentendia que era um número octal. Já o %d (d de decimal) só aceita números na base decimal.

Fiz um pequeno programinha para testar se isso era verdade. Para octal entre com 0 na frente do número e para hexadecimal entre com 0x na frente do número.

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
#include <stdio.h>

int main()
{
   int n1, n2;

   printf("Informe um numero: ");
   scanf("%i", &n1);
   printf("Informe outro numero: ");
   scanf("%d", &n2);

   printf("Numero do %%i: %i\n", n1);
   printf("Numero do %%d: %d\n", n2);
   
   return 0;
}

O programa recebe 2 números, sendo um com o %i e outro com o %d(insira numeros começando com 0 e pra ficar mais facil a visualização o mesmo número para os dois) e depois exibe os números recebidos.

Por exemplo: Se inserirmos 010 no primeiro e 010 no segundo vai ser entendido da seguinte forma:

  • Primeiro %i: recebe 010 = (10) em base octal, que é igual 8 em base decimal
  • Segundo %d: recebe 010 = (10) em base decimal

Logo a saida será:

Numero do %i: 8
Numero do %d: 10

Se alguém souber mais sobre isso comente.

Até mais.

Alex.S.R

28/09/2010

Dica – Stay Safe Podcast

por Alex.S.R

Excelente Podcast sobre segurança da informação onde Thiago Bordini e Jordan M. Bonagura conversam com alguns profissionais atuantes e respeitado no mercado de segurança da informação. Vale muito a pena escutar esse podcast. Também tem a revista eletrônica, agora com a parceria da H2HC.

Segue a baixo um pequeno curriculum dos dois:

Thiago Bordini

Formado em Sistemas da Informação pela UNIBERO, pós graduado em Segurança da Informação pelo IBTA e MBA em Gestão de TI pela FIAP, atua na área de TI a 14 anos. Atualmente trabalha na Skylan Technology como Analista de Segurança. Profissional Certificado pela Microsoft em Servidores Windows. Palestrante em diversas instituições de temas como Virtualização, Segurança e Redes. Professor universitário da Universidade Bandeirantes – UNIBAN. Membro organizador do Hackers Construindo Futuros – HCF Brasil. Fundador do Stay Safe PodCast e Revista. Membro organizador do CSA Brasil (Cloud Computing Security Aliance).

Jordan M. Bonagura

Cientista da computação com pós-graduações nas áreas de gestão estratégica de negócios, inovação e empreendedorismo, e docência (metodologia de ensino e pesquisa);
Atua como consultor empresarial e pesquisador na área de segurança da informação com ênfase na busca de novas vulnerabilidades e suas formas de exploração;
Docente na área de Tecnologia da Informação em diversas instituições, entre elas, o IBTA (Instituto Brasileiro de Tecnologia Avançada);
Atualmente compõe o grupo do projeto GNSS no INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais);
Chairman do Grupo Stay Safe (Podcast e Revista);
Membro diretor da CSA (Cloud Security Alliance) – Chapter Brasil;

Fonte: http://www.staysafepodcast.com.br/?page_id=2 (28/09/10, 14:00)

Para ouvir acesse: http://www.staysafepodcast.com.br/
Revista H2HC Stay Safe: http://www.staysafepodcast.com.br/?page_id=44

22/08/2010

Arquivo de imagem ISO

por Alex.S.R

Frequentemente nos deparamos com arquivos de imagem de CD/DVD. O mais comum é o .iso. Esses arquivos de imagem contém todos os dados de um CD/DVD além de informações que permitem gerar uma cópia fiel do CD/DVD.

Quando baixamos um arquivo .iso temos algumas opções, que vão desde gravar essa imagem em um CD/DVD até extrair os dados dessa imagem usando um compactador de arquivos como o 7zip. Vou mostrar.

Obs: Os prints estão com o enredeço “averruga.wordpress.com” (Outro blog que participo) por que houve um remanejamento e foi mudado o foco do blog. Agora esse é o meu blog.

Windows – Gravando um arquivo .iso

Para gravar uma imagem .iso precisamos de um programa de gravação. Existem muitos com essa função, os mais famosos são: Nero (pago), Alcohol 120% (pago), UltraISO (pago) entre outros. Vamos usar um programa chamado CDBurnerXP que é gratuito, bem leve e em português. Click aqui para baixar o CDBurnerXP (a versão que vou usar é a 4.2.7.1893)

Processo de instalação do CDBurnerXP:

    • De duplo click no arquivo “cdbxp_setup_versãobaixada.exe”.
    • Na tela de aviso de segurança do Windows click em “Executar.
    • A próxima tela é a de boas-vindas, click em “Seguinte”.
    • Leia os termos, aceite e click em “Seguinte”.
    • Escolha o diretório que será instalado o programa e click em “Seguinte”. Recomendo deixar o padrão.
    • Na próxima tela deixe marcado somente a caixa de seleção do nosso idioma para não ocupar espaço desnecessário. (Click aqui para ver a imagem).
    • A próxima tela é para escolha do local que ficara o programa no menu “Iniciar”, deixe como esta e click em “Seguinte”.
    • Na próxima tela além das caixas já marcadas, marque também a última caixa “Associar arquivos ISO (.iso) ao CDBurnerXP” e click em “Seguinte”.
    • Espere a instalação ser concluída e click em “Concluir” na tela seguinte.
    • Quando o assistente de instalação for concluído será executado o programa pela primeira vez e será mostrado uma tela para escolha do idioma. Escolha português.

Agora que temos o CDBurnerXP instalado vamos gravar nossa imagem .iso.

  • Disco de Dados
  • Disco de Áudio
  • Gravar imagem ISO
  • Copiar disco
  • Apagar disco

Tela abertura

Vamos selecionar “Gravar imagem ISO” e clicar em “OK”.

Na próxima tela devemos clicar em “Browser” e navegar até o diretório que está a imagem .iso que queremos gravar e clicar em “Abrir”.

Coloque o CD/DVD no gravador e click em “Gravar Disco”. Na outra aba será exibido o progresso da gravação, basta esperar acabar e pronto.

Gravar

Windows – Emulando um Driver

Outra opção é utilizar um emulador de driver de CD/DVD para abrir a nossa imagem .iso e assim poder acessar o seu conteúdo. Os dois emuladores que mais gosto é o DAEMON Tools Lite e o Virtual CloneDrive. Ambos são gratuitos. Vamos utilizar o DAEMON Tools Lite.

Processo de instalação do DAEMON Tools Lite (a versão que vou usar é a 4.35.5 32/64 Bits)

    • Click aqui para baixar o DAEMON Tools Lite.
    • De duplo click no arquivo “DTLiteversaobaixada.exe”.
    • Na tela de aviso de segurança do Windows click em “Executar”.
    • A próxima tela é para a escolha do idioma, o português vem previamente selecionado. Click em “OK”.
    • A próxima tela é a de boas-vindas, click em “Próximo”.
    • Leia os termos e click em “Eu aceito”.
    • Na próxima tela deixe selecionado “Free License” e click em “Próximo”.
    • Deixe as caias de seleção como na imagem.
    • Na próxima tela desmarque a caixa “Página Inicial do Navegador” e click em “Próximo”.
    • Escolha o diretório para a instalação e click em “Instalar”. Recomendo deixar o padrão).
    • Na próxima tela click em “Fechar”.

Repare que o ícone do DTLITE irá aparecer na área de notificação (aquela área que mostra a hora). No momento que o Daemon é executado ele automaticamente cria um drive virtual. Você pode criar mais de um caso precise.

Agora vamos abrir a nossa imagem com o driver virtual. Click com o direito do mouse sobre o ícone na área de notificação. Será aberto um menu de contexto, navegue: Dispositivos virtuais > Dispositivo 0: [F:]Sem Mídia > Montar Imagem… (note que em “Dispositivo 0: [F:]Sem Mídia” pode varias dependendo do número de drivers emulado que você tenha e a letra do driver varia com base em vários fatores).

Depois de clicar em “Montar Imagem…” será aberto uma janela de navegação Navegue até a imagem .iso e click em abrir.

Agora vá até “Meu Computador” e entre no driver que montamos a imagem, no meu caso o F:.

Pronto, você já consegue visualizar os arquivos contidos no arquivo de imagem .iso.

Caso queira “desocupar” o driver basta clicar com o direito do mouse sobre o ícone na área de notificação, no menu de contexto navegue: Dispositovos virtuais > Dispositivo 0:[F:]NomeMountado > Desmontar imagem.

O DAEMON Tools Lite também suporta os seguintes arquivos:

  • B5T
  • B6T
  • BWT
  • CCD
  • CDI
  • CUE
  • ISO
  • MDS
  • NGR
  • PDI

Windows – Extraindo dados de um arquivo .iso

A última opção que vamos ver é a de extrair do arquivo de imagem os seus dados usando um programa de compactação de arquivos. Os mais famosos desse tipo de programa são: Winrar, Winzip e 7zip. Iremos utilizar o 7zip.

Processo de instalação do 7-zip 4.65.

    • Click aqui para baixar o 7-zip 4.65.
    • De duplo click no arquivo “7z465.exe”.
    • Na tela de aviso de segurança do Windows click em “Executar”.
    • Na próxima tela escolha o diretório de instalação e click em “Install”.
    • Recomendo deixar o diretório padrão.
    • Click em “Finish”.

Pronto já estamos com o 7zip instalado.

Agora vamos extrair os arquivos da nossa imagem .iso

Click com o direito do mouse sobre o arquivo de imagem. No menu de contexto navegue: 7-Zip > Abrir arquivo.

Será aberto uma janela mostrando todos os arquivos contido dentro do arquivo de imagem. No meu caso é uma imagem do FreeBSD. Agora basta selecionar o arquivo ou pasta que queira extrair e clicar em “Extrair”.

Quando clicar em extrair será aberto uma janela para a escolha do diretório que será extraído o arquivo. Escolha o diretório e click em “OK”. Pronto agora basta navegar até o diretório escolhido e o arquivo extraído estará lá.

Linux – Gravando um arquivo .iso

Como dito anteriormente muitos programas de gravação tem suporte para gravar arquivos de imagem. No linux iremos usar o k3b que é um ótimo gravador para ambiente KDE.

Instalação do K3b

Obs: A versão do k3b que uso é 1.0.5, portanto os screenshots são dessa versão

Quando você abre o k3b na parte inferior da janela tem algumas opçãoes de gravação, como:

  • Novo Projeto de CD de Áudio
  • Novo Projeto de CD de Dados
  • Novo Projetos de DVD de Dados
  • Copiar CD…
  • Queimar Imagem de CD…
  • Queimar Imagem .ISO de DVD

Obviamente iremos usar “Queimar Imagem de CD…” e/ou “Queimar Imagem .ISO de DVD”. Vamos supor que vamos gravar aquela imagem do FreeBSD que tenho. Para isso vamos escolher “Queimar Imagem de CD…”.

Será aberto um assistente. No campo “Imagem para queimar” devemos clicar na pastinha do lado e navegar até o diretório que está a imagem e depois clicar em “OK”.

Agora inserimos o CD virgem no driver e clicamos em “Iniciar”. Agora basta esperar o processo acabar e pronto.

Linux – Montando um arquivo de imagem .iso

No linux o processo para a montagem de um arquivo de imagem é bem simples.

Vamos criar uma pasta chamada “Montagem” dentro do diretório /media e dar permissão para todos os usuários.


Agora vamos ver como é a sintaxe do comando para montar a imagem.

Vamos supor que o meu arquivo de imagem seja FreeBSD.iso e esteja no diretório /home/alex e eu quero montar ele no diretório que criamos /media/Montagem. Logo o comando seria:

Agora basta navegar até o diretório que montamos.

Para desmontar use o comando:

No meu caso:

Agora já sabemos o que fazer quando nos deparamos com um arquivo de imagem .iso.

Até mais.

Alex.S.R

22/08/2010

Instalando o Opera e Plugin Flash Player no Debian

por Alex.S.R

Para instalarmos o navegador Opera no Debian temos duas opções:

  1. Adicionar no sources.list o repositório do Opera e instalar via apt
  2. Baixar o pacote .deb do site e instalar com o dpkg

Vamos fazer das duas formas e depois vamos instalar o plugin Flash Player.

Instalando via repositório

Primeiramente vamos fazer uma cópia de segurança (backup) da nossa sources.list (A lista que contém todo o endereço dos nossos repositórios). Vamos fazer a cópia com o comando cp.

Backup

Depois de fazermos a cópia de segurança vamos editar a nossa sources.list para adicionar o endereço do repositório do Opera. Vamos usar o editor VIM para isso.

VIM

Com o editor VIM aberto vamos pressionar para entrar no modo “inserir”. Navegue até o final da lista com as teclas direcionais e vamos adicionar as seguintes linhas:

#Opera
deb http://deb.opera.com/opera/ lenny non-free

Obs: A tralha (#) serve para indicar que é comentário, ou seja, tudo o que estiver na linha que tiver a tralha será ignorado pelo apt. Comentários são usados para documentar.

A sources.list deve ficar assim (lembrando que pode haver diferença nas linhas anteriores):

sources.list

Agora vamos salvar. Para salvar no VIM vamos apertar para sair do modo “inserir”. Agora vamos apertar (dois pontos) para entrar no modo de comandos e digitar “wq”, onde w (write) é para escrever, ou seja, salvar o arquivo e q (quit) é para sair do VIM.

Agora que já adicionamos o endereço do repositório na sources.list vamos atualizar o apt.

apt-get update

Depois de atualizar o apt no final vai aparecer uma mensagem de erro falando que nãço achou a chave publica do Opera. Vamos adicionar a chave com o seguinte comando:

key

Agora que adicionamos a chave vamos atualizar novamente o apt e depois instalar o Opera:

apt-get update
apt-get install opera

Pronto agora o Opera está instalado.

Instalando com o pacote do Debian (.deb)

Para instalarmos a partir do pacote do Debian (.deb) primeiro precisamos baixa-lo. Vamos entrar no site do Opera para baixar:

http://www.opera.com/browser/download/

Em “Select distribuiton and vendor” selecione “Debian”.
Em “Choose package format” deixe “Debian package”.
Em “Download location” deixe o que estiver.

Agora click em “Download Opera”.

Após terminar o download navegue até o diretório que escolheu para salvar o arquivo (no meu caso gravei em /home/alex/tutorial/opera).

diretorio opera

Dentro do diretório digite (o nome do pacote vai depender da versão do Opera baixado):

dpkg

Pronto, o Opera está instalado.

Instalando o plugin Flash Player

Para instalarmos o plugin do flash primeiro precisamos baixa-lo. Vamos entrar em:

http://get.adobe.com/br/flashplayer/

Em “selecione a versão para fazer download…” vamos selecionar “.tar.gz para linux” e depois clicar em “Aceitar e instalar agora”.

Após terminar o download navegue até o diretório que escolheu para salvar o arquivo (no meu caso gravei em /home/alex/tutorial/flash).

diretorio flash

Agora já dentro do diretório vamos descompactar o arquivo que baixamos:

tar

Depois de descompactar basta mover o arquivo “libflashplayer.so” para o diretório de plugins do Opera:

movendo

Pronto, agora é só usar!

Até mais.

Alex.S.R